sábado, 21 de agosto de 2010

Ilusão

Se tudo der certo, eu e você vamos nos encontrar, passar horas e horas juntos, sem parar para pensar no tempo, sem nos preocupar com nada, nem ninguém, será apenas eu e você [...]

Essas palavras não saiam da minha cabeça desde que ele as disse para mim aquele dia; tudo parecia tão estranho desde então; o sol já não brilhava tanto quanto antes, as flores não exalavam o perfume inebriante como outras vezes, as músicas não eram tão lindas como já foram, os filmes já não faziam tanto sentido, e o amor... Estava prestes a se tornar indiferente aos meus olhos e principalmente ao meu coração. Me lembrar que acreditei em cada palavra que me dissera... Mas me enganou, mentiu, e não tenho o menos pudor ao fazer isso, como pude ser tão tola? Eu que sempre tive meus pés no chão, me deixei levar por promessas que nunca tiveram a intenção de deixarem de ser apenas palavras.
Por um instante senti vontade de ligar para alguém do Brasil, mas o telefone estava bloqueado, acreditei então que assim era melhor, talvez eu ainda não estivesse pronta para mentir que estava bem, ainda não, não agora, não hoje. Eu sentia frio, mas não um frio que bastava em me enfiar debaixo das cobertas que passaria, mas era um frio aqui dentro de mim, meu coração parecia estar congelando, talvez isso fosse bom; sentia medo, não de ficar só, nem mesmo de não saber viver sem ele, eu teria que aprender afinal, mas de pensar em como ele poderia estar muito bem, feliz, longe de mim, saber que pra ele, eu não fui nem mesmo a metade do que ele foi, e de maneira repugnante, ainda é para mim, isso fez abrir mais fundo ainda a minha ferida, que insistia em não se curar.
E as nossas cicatrizes têm o poder de nos recordar que o passado foi real, recordar... Quando tudo que eu mais precisava era simplesmente esquecer, eu desisti dos meus sonhos e princípios por causa dele, e em troca disso, ele me tirou o que de mais precioso eu tinha, a alegria, a alegria de estar viva.



Obs.: Texto totalmente fictício apenas para as pautas do "OUAT", "In Verbis" e "Bloínquês".
Boom meus queridos leitores, peço-lhes desculpas pelo relaxamento que estou tendo com o blog, eu prometo que vou tentar postar mais u_u E, aos que acompanhavam o "Discretamente Perigoso", peço-lhes mais desculpas, mas no momento, eu não irei continuá-lo porque a minha criatividade não está ajudando muito, então, assim que for possível eu irei postar os próximos capítulos, espero a compreensão de vocês, e as minhas sinceras desculpas.

6 escreveram aqui:

A princess of Bel-air disse...

Ja faz um tempo que não vinha aqii, mas como sempre o blog esta perfeito *-*
me identifico muito com seu estilo de escrever!!
bjoos

Riita disse...

ah que frase linda no começo *-*,
amei o texto, seu blog é super organizado.
Parabéns!

Bjs:*

Riita disse...

Foi incrível como o texto, me tocou pois, de certa forma já me fizeram promessas que nunca foram cumpridas e que deixaram marcas espero um dia poder apagar.

Isabela Branco disse...

Me identifiquei demais com o texto ~~cry
"mas de pensar em como ele poderia estar muito bem, feliz, longe de mim, saber que pra ele, eu não fui nem mesmo a metade do que ele foi, e de maneira repugnante, ainda é para mim"
OK, sou boba.

Carolina Martins disse...

Um dia sempre nos fazemos de tola. Sempre. Adorei o texto! Beijos mil. :*

leonardo disse...

Você escreve muito bem e também me identifiquei até com seu texto. Seu blog é bem lindo e organizado. Já estou seguindo faz tempo já. Beijo

Postar um comentário

Opiniões, elogios e críticas construtivas, são sempre bem-vindas.
Se vier com xingamentos o seu comentário nem irá ser aceito -dik
Não comente "Lindo", "Parabéns!", "Bom!", e coisas do tipo, tenha a dignidade de ler o texto e fazer um comentário decente, por favor!
Voltem sempre ;D